Antecipação da campanha da pinha apanha de surpresa empresários do Litoral Alentejano (c/áudio)

Os empresários que se dedicam à apanha da pinha no litoral alentejano estão indignados com a antecipação da campanha deste ano em catorze herdades da zona de Coruche, autorizada pelo Ministério da Agricultura, em regime exclusivo.

A medida é justificada com o elevado risco de furtos naquela região que levou a Associação de Produtores Florestais de Coruche a solicitar o arranque da campanha a 1 de novembro, um mês antes do período habitual.

Apanhados de surpresa com esta decisão, os empresários do Litoral Alentejano exigem receber o mesmo tratamento. Em declarações à Miróbriga, o empresário Cláudio Fidalgo diz que esta região também é afetada pelos furtos.

 

De acordo com Cláudio Fidalgo, que desenvolve a sua atividade nos concelhos de Alcácer do Sal e Grândola, além dos furtos, os empresários esperam quebras no setor devido à seca que levou à maturação precoce da pinha

 

Como não pediram antecipação, os empresários do Litoral Alentejano, apenas podem iniciar a apanha a partir de 1 de dezembro, uma situação que o empresário diz fazer aumentar os roubos na região e a desigualdade na chegada do produto ao mercado.

 

Na região do Litoral Alentejano, existem cerca de 15 empresas que se dedicam à apanha da pinha, entre Sines, Grândola e Santiago do Cacém. Todos os anos são furtadas cerca de cinco mil toneladas de pinhas em todo o País.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*