Associação de Regantes fala em calamidade em Campilhas e Alto Sado (c/áudio)

Confirmam-se os piores cenários. Devido à seca severa vão ficar por cultivar mais de 4000 hectares de regadio em Campilhas, Fonte Serne e Alto Sado. O alerta partiu da Associação de Regantes e Beneficiários de Campilhas e Alto Sado que fala numa situação de calamidade.

Ouvido pela Miróbriga, Ilidio Martins diz que a falta de água nas albufeiras do Monte da Rocha, Campilhas e Fonte Serne não vai permitir regar este ano culturas como o milho, arroz, tomate, olival, hortícolas e outras culturas.

Nem a água de Alqueva pode valer a cerca de 4 mil hectares de terreno que não têm origem de água.

Sem possibilidade de regar a Associação de Regantes não esconde a sua preocupação. Ilidio Martins diz que o abeberamento de milhares de animais está em risco.

A ARBCAS está a efetuar um levantamento rigoroso das implicações desta situação que considera “anormal”. O responsável teme pela competividade e produtividades das várias centenas de explorações que empregam centenas de pessoas.

A Associação de Regantes e Beneficiários de Campilhas e Alto Sado quer sensibilizar o Ministério da Agricultura para evitar o desmantelamento da atividade e minimizar prejuízos.

Ouvir aqui:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *