Câmara lança concurso para qualificar Mercado Municipal e zonas envolventes e é criticada pela vereação do PS

A Câmara de Santiago do Cacém aprovou na última semana a abertura do concurso público para a requalificação do Mercado Municipal e zonas envolventes com vista “à melhoria da mobilidade urbana” da cidade mas a obra é criticada pela vereação socialista que não concorda com esta opção.

Os vereadores do Partido Socialista (PS) não concordam com a canalização de verbas dos fundos comunitários para uma obra que “não consideram prioritária”.

Em declarações à Miróbriga, Óscar Ramos, vereador do PS, adiantou que estas verbas deveriam ser aproveitadas para “minimizar as assimetrias existentes” no concelho e na “requalificação do centro histórico” da cidade. 

A vereação socialista não concorda com a “alteração do pavimento da avenida Manuel da Fonseca e restantes ruas” e defende que “não se deveria intervir nos passeios existentes” mas, em alternativa, “abrir caldeiras para a plantação de árvores, manter e melhorar os passeios”.

Em comunicado, os vereadores do Partido Socialista, que insistem na necessidade de negociar com o Governo uma circular a Santiago do Cacém, demonstram preocupação com o corte de árvores, previsto na operação de qualificação da avenida Manuel da Fonseca, e com a redução do número de estacionamentos nas zonas intervencionadas.

Óscar Ramos diz que a vereação socialista já sugeriu à maioria no executivo municipal a possibilidade de ser criado um piso no estacionamento em frente à loja da PT/MEO e junto da Quinta do Chafariz.

Em resposta, o presidente da Câmara de Santiago do Cacém, Álvaro Beijinha garante que “não vai haver diminuição de lugares de estacionamento no cômputo geral” da obra.

Em relação ao corte das árvores na avenida Manuel da Fonseca o autarca adianta que a intervenção contempla a colocação de “árvores compatíveis com o meio urbano”.

O investimento de mais de dois milhões de euros na requalificação das zonas envolventes ao Mercado (1,9ME), abrange várias artérias da cidade, como a Avenida Manuel da Fonseca, a Rua de Moçambique, a Rua Calouste Gulbenkian, a Rua Dr. Félix da Cruz e a Rua da Cidade de Setúbal e a qualificação do Mercado Municipal (300 mil euros), contempla ainda a remodelação da rede de águas e a conclusão da intervenção para o escoamento de águas pluviais.

O projeto está incluído no Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU) de Santiago do Cacém, estando prevista uma comparticipação do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *