Arquivo da categoria: Cultura

Sines: CAS recebe Semana da Educação Artística

LOGO_Semana Educação ArtísticaO Centro de Artes de Sines, através do Serviço Educativo e Cultural e da Biblioteca Municipal de Sines, apresenta entre 17 e 26 de maio de 2014 um leque diversificado de atividades que visam despertar a sociedade para a arte enquanto área do conhecimento de especial importância para o desenvolvimento do ser humano, seguindo os princípios da Semana da Educação Artística instituída pela UNESCO em 2012.

 

Todas as iniciativas vão ser realizadas no Centro de Artes de Sines, distribuídas por vários espaços. Os seus destinatários são mediadores culturais, técnicos de saúde, professores, educadores de infância, auxiliares de ação educativa, técnicos de serviços educativos, animadores socioculturais, pais e a todos os restantes interessados.

A primeira iniciativa decorre no dia 17 de maio, um encontro com a Pedagogia Waldorf, pela Associação PerCurso Waldorf.

No dia 19 de maio, realiza-se uma apresentação do projeto Color add – Sistema de Identificação de Cores para Daltónicos, por Miguel Neiva, no âmbito da exposição sobre a Viarco patente no Centro de Artes de Sines. Ainda no dia 19, e também no âmbito da exposição, tem lugar um ateliê com o artista plástico Ricardo Pistola.

No dia 20, Catarina Lobo, coordenadora da Equipa Educativa do Serviço de Música da Fundação Calouste Gulbenkian, partilha conhecimentos, estratégias e experiências da mediação cultural junto de vários públicos.

No dia 21, decorre uma iniciativa de musicoterapia com uma componente teórica e uma componente prática.

No dia 22, a equipa do Serviço Educativo e Cultural do Centro de Artes apresenta o trabalho que tem vindo a realizar na área da dança criativa.

No dia 23, Mário Primo, professor, encenador do grupo de Teatro GATO, S.A. e diretor da Mostra Internacional de Teatro de santo André, ministra um ateliê de teatro.

No dia 26, a Andante – Associação Cultural realiza dois espetáculos para as escolas: “Afinal o Caracol”, sobre a poesia de Fernando Pessoa, e “Quem Quer Ser Saramago”, sobre a obra de Saramago.

Também no dia 26 de maio, é apresentado o trabalho final do projeto “Unidade de Produção”, uma curta-metragem.

 

Durante esta semana todas as áreas de expressão e educação artística serão tratadas e a partilha de experiências e de práticas de mediação cultural será o objetivo primordial.

Share

Grândola: Poema de José Afonso dá origem a livro sobre a canção da Liberdade

50 anos grandolaA vila de Grândola, realiza, durante o todo o mês, diversas iniciativas de comemorações dos 50 anos do poema “Grândola vila Morena”, de José Afonso.

 

Catarina Silva

Integrada nas comemorações, está a apresentação do livro “Grândola Vila Morena – A Canção da Liberdade” a realizar sábado, dia 17, pelas 18h no Edifício dos passos do concelho.

Escrito em conjunto pela jornalista Mercedes Guerreiro e pelo professor e jornalista de um instituto belga, Jean Lemaître, o livro pretende explicar a escolha da canção de José Afonso para senha da revolução dos cravos, refere Mercedes Guerreiro

A reação dos portugueses à canção e o facto de “Grândola Vila Morena” se ter tornado num cântico de protesto, levaram os escritores a publicar o livro.

Os autores acreditam que a canção “Grândola Vila Morena” está a tornar-se num hino internacional contra a austeridade, que não afeta apenas os portugueses. Como tal, foi criada uma versão em francês com o objetivo de dar a conhecer a história da canção a outros povos, explica

A versão original do livro já foi apresentada em Bruxelas, onde foi bem acolhido pelo público. Seguem-se Grândola e Setúbal no dia 17 de maio e Aljustrel dia 24 de maio.

 

Share

Alcácer do Sal: Dia Internacional dos Museus assinalado com música e exposições

6º Aniv.Cripta 18-04-2014 168O concelho de Alcácer do Sal vai assinalar o Dia Internacional dos Museus, que se comemora no dia 18 de maio, com música, exposição e visitas guiadas gratuitas a espaços museológicos.

A antecipar a efeméride, o Museu Etnográfico do Torrão – MET acolhe no dia 17 (sábado) duas iniciativas: uma exposição e um concerto.

Pelas 16h, vai ser inaugurada a exposição “O Torrão de Joaquim Roupa – tributo à sua obra”, que reproduz com rigor alguns dos principais e mais emblemáticos elementos históricos e arquitetónicos da freguesia em preciosas miniaturas feitas à mão, seguindo-se a atuação do Coro da Universidade Sénior do Torrão.

O Torrão de Joaquim Roupa – tributo à sua obra” pode ser visitado até 14 de julho, de segunda a sexta-feira e nos primeiros e terceiros sábados do mês, das 9h às 13h e das 14h às 17h.

A habitual Noite dos Museus realiza-se também no Museu Etnográfico do Torrão, com este espaço a acolher um concerto de Maria Mirra Covers a partir das 21h30.

No dia 18 de maio (domingo), o MET vai estar aberto ao público entre as 10h e as 13h e das 14h às 18h. Por seu turno, a Cripta Arqueológica, situada debaixo da Pousada do Castelo de Alcácer, vai ter horário alargado das 9h à meia-noite, com entradas e visitas guiadas abertas ao público. O mesmo se aplica às duas estações arqueológicas da zona adjacente do castelo (fórum romano de Salácia Urbs Imperatoria).

O Dia Internacional dos Museus celebra-se anualmente desde 1977, na sequência de uma proposta do Conselho Internacional dos Museus (organismo da UNESCO). Este ano, a efeméride obedece ao mote “Museus: coleções criam conexões”, aludindo a facto de estes espaços serem instituições vivas que ajudam a criar laços entre visitantes, gerações e culturas em todo o mundo.

Share

Dia Internacional dos Museus: Exposição-dossiê dedicada a D.Frei Manuel do Cenáculo

D. Frei Manuel do CenáculoO Museu de Sines é o museu convidado pelo Museu Nacional de Arqueologia no Dia Internacional dos Museus. As duas entidades organizam em conjunto uma exposição-dossiê dedicada a D. Frei Manuel do Cenáculo, fundador do primeiro museu público português, que teve em Sines o seu refúgio de escrita. A exposição é inaugurada no dia 18 de maio, às 16h00, no Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa.

 

Percursor da arqueologia em Portugal, escritor, historiador, pedagogo, colecionador, D. Frei Manuel do Cenáculo foi uma das figuras mais brilhantes do Iluminismo português. Do seu dinamismo nasceram instituições como a Biblioteca Pública de Évora e coleções de arte e arqueologia que estiveram na base dos museus de Beja e Évora. O primeiro museu português, Museu Sisenando Cenaculano Pacense, foi criado por si, em Beja, em 1791.

A exposição-dossiê, intitulada “Frei Manuel do Cenáculo – O Criador do Primeiro Museu Português no Bicentenário da sua Morte”, é acompanhada pela edição de um roteiro pelas memórias físicas de Frei Manuel Cenáculo em Lisboa e no Alentejo. O roteiro é um testemunho de como no tempo de Cenáculo o Alentejo era um território de vanguarda na preservação da memória e como hoje continua a sê-lo, valorizando o património como um dos seus principais recursos. O roteiro foi elaborado pelo Museu de Sines e financiado pela Turismo do Alentejo ERT.

A inauguração da exposição no Museu Nacional de Arqueologia inclui um programa de visita complementar, que passará pela igreja do Mosteiro dos Jerónimos, incluindo o túmulo de Vasco da Gama e a exposição de arqueologia subaquática “O Tempo Resgatado ao Mar” guiada pelo seu comissário, finalizando com um pequeno recital de música de câmara de finais do século XVIII.A Câmara Municipal de Sines disponibiliza transporte aos munícipes interessados em assistir à inauguração da exposição em Lisboa. Inscrições na receção do Museu de Sines (tel. 269 632 237).

A exposição é uma organização conjunta do Governo de Portugal – Secretário de Estado da Cultural / Museu Nacional de Arqueologia, Direção Regional de Cultura do Alentejo, Museu Nacional de Arqueologia, Câmara Municipal de Sines / Museu de Sines e Turismo do Alentejo ERT.

Share

Odemira: Espetáculo de rua ‘Os Pássaros’ junta 120 atores e músicos

imagesO espetáculo de teatro de rua “Os Pássaros” vai ser apresentado no dia 10 de maio, pelas 21.30, na vila de S. Teotónio, no Parque de Feiras e Exposições, com a participação de cerca de 120 atores e músicos de todo o concelho de Odemira.

 

O espetáculo conta de forma alegórica a história dos dramáticos dias de abril de 1974. Esta iniciativa insere-se nas comemorações dos 40 anos da revolução dos cravos, partindo de um desafio lançado pelo Município de Odemira ao Teatro ao Largo, grupo responsável pela conceção e coordenação do espetáculo, com financiamento do Município.

A produção será também apresentada em Vila Nova de Milfontes, no dia 7 de junho, pelas 21.30 horas. A estreia aconteceu na noite de 26 de abril, em Odemira, com enorme sucesso.

Esta produção apoia-se numa vasta gama de talentos de pessoas locais, que incluem elementos dos vários grupos amadores de teatro. Do elenco fazem parte artistas dos grupos Cabanita, Gatos Pingados, Calitruz, Rústico e Teatro Alemão da Serra, do grupo de jovens do Projeto ST-5EG (TAIPA), da Banda Filarmónica de Odemira, da Classe Conjunto da Escola Básica 2º e 3º ciclo Damião de Odemira (Escola de Artes do Alentejo Litoral), do coro Vozes Divertidas (Fábrica das Artes), a fadista Joana Luz, o escritor/poeta Fernando Évora, do grupo de utentes da APCO (Associação de Paralisia Cerebral de Odemira).

Este espetáculo conta ainda com a colaboração especial da TAIPA (através do grupo de pescadores da Azenha do Mar e através da Formação para a Inclusão, na construção de adereços) e da Junta de Freguesia de S. Teotónio (apoio de material e organização do grupo de senhoras para a elaboração de cravos em papel).

A criação, música original e encenação são da responsabilidade de Steve Johnston, os adereços e guarda-roupa são concebidos por Helen Lane e Ana Baleia e a luz e som são assumidos por Pedro Pinto Leite. As entradas são livres.

Share