EP de Pinheiro da Cruz inaugura videovigilância e quartos para visitas íntimas

O Estabelecimento Prisional de Pinheiro da Cruz, em Grândola (Setúbal), inaugura esta quarta-feira o novo sistema de videovigilância (CCTV), com 150 câmaras, e seis quartos para visitas íntimas, num investimento global de 171 mil euros.

De acordo com o Ministério da Justiça (MJ), o novo dispositivo de videovigilância começou a ser instalado o ano passado e  representa um investimento de 136.600 euros.

O sistema, refere a tutela, vai “permitir uma maior eficiência e rapidez de intervenção, tanto ao nível da segurança preventiva, como da reativa, libertando guardas prisionais para outras tarefas de vigilância e segurança” no estabelecimento prisional (EP).

A inauguração dos novos equipamentos e instalações vai ter lugar, esta quarta-feira, no âmbito das comemorações do 67.º aniversário deste estabelecimento prisional. A cerimónia presidida pela secretária de Estado da Justiça, Anabela Pedroso, e pelo diretor-geral de Reinserção e Serviços Prisionais, Celso Manata, serve também para inaugurar as instalações para visitas íntimas.

No total, segundo a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP), esta nova valência inclui seis quartos para visitas íntimas, três gabinetes de técnicos, um de controlo e uma sala de espera, com custos que rondaram os 35 mil euros.

As instalações, realçou a DGRSP, vão permitir “reforçar laços familiares, com os resultados daí decorrentes para a reinserção social e para a preservação da ordem e da disciplina no estabelecimento prisional, e ampliar e modernizar espaços de trabalho”.

A instalação de sistema de CCTV e a criação de quartos para visitas íntimas, segundo a direção-geral, fazem parte de um plano nacional que “irá prosseguir noutros estabelecimentos prisionais”.

Na sessão no EP de Pinheiro da Cruz está também integrada a assinatura de protocolos com a Câmara de Grândola, a Junta de Freguesia de Carvalhal e a empresa FAIRFRUIT – Portugal para a formação e empregabilidade remunerada de reclusos que se encontram em regime aberto.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *