‘Festival Terras Sem Sombra’ promove-se na capital da Hungria

Uma comitiva composta por empresários, autarcas e artistas do Festival Terras Sem Sombra (FTSS) deslocou-se a Budapeste, na Hungria, entre 25 e 27 de janeiro, para dar a conhecer o potencial artístico, natural e económico do Alentejo.

A ‘embaixada’ cultural e comercial participou num programa intenso de três dias que teve início no Instituto de Musicologia da Academia Húngara das Ciências, com uma conferência de imprensa de apresentação do programa da 14ª edição do FTSS, que se realiza, entre 17 de fevereiro e 1 de julho.

A Hungria é o país convidado da edição deste ano e a participação da Academia de Liszt de Budapest é, para a organização, “um passo de gigante”.

Durante três dias, foi possível estabelecer contactos com ‘opinion makers’ e personalidades importantes da vida cultural e artística de Budapeste. A comitiva foi ainda recebida pelo vice-presidente do Parlamento de Budapeste e participou num conjunto de contactos bilaterais que dão azo a que o diretor geral do festival, José António Falcão, faça um balanço “extremamente positivo” da deslocação.

Em paralelo, decorreram sessões de trabalho entre empresários portugueses e húngaros, que contaram com a colaboração do AICEP e da Embaixada de Portugal. Na bagagem, os empresários levaram o vinho, o azeite, as conservas, a fruta, a cortiça e o Alentejo enquanto oferta turística.

Ao nível cultural foram estabelecidos contactos com “altos responsáveis” da vida cultural e artística da Hungria, entre eles vários departamentos da Academia Liszt “onde se formam os novos artistas com carreira internacional” e com artistas que “ao nível da composição e da música contemporânea têm um palco extraordinário nos EUA e Alemanha”, como é o caso de Peter Etwoz, o principal compositor húngaro, “que manifestou um grande interesse pelo Festival Terras Sem Sombra”, concluiu José António Falcão.

No primeiro dia, a ‘embaixada’ alentejana visitou a Academia Liszt, uma das mais prestigiadas universidades de música da Europa, levando até à Zeneakadémia um concerto de Cante Alentejano, com a atuação dos Cantadores do Desassossego, de Beja. O programa incluiu ainda a oferta de sobreiros ao Jardim Botânico de Budapeste e a homenagem a dois diplomatas portugueses, o embaixador Sampaio Garrido e o encarregado de Negócios, Teixeira Branquinho, que salvaram milhares de judeus húngaros, atribuindo-lhes passaporte luso.

O festival de música Terras Sem Sombra abre a 17 de fevereiro, na Vidigueira, e, até junho, vai apresentar dez concertos, acompanhados de visitas ao património edificado e a ações de biodiversidade, nos concelhos alentejanos de Vidigueira, Elvas, Barrancos, Serpa, Odemira, Mértola, Ferreira do Alentejo, Beja, Sines e Santiago do Cacém.

A programação da 14.ª edição do Terras Sem Sombra é dirigida artisticamente pelo crítico musical Juan Ángel Vela del Campo, pela quarta vez consecutiva.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *