Golfinhos são os novos inquilinos da Baía de Sines

Dois golfinhos da espécie roaz – corvineiro são os mais recentes inquilinos da praia Vasco da Gama, em Sines.

Os novos ‘moradores’ estão há cerca de uma semana na baía de Sines e já são motivo de atração para muitos locais e para os banhistas que frequentam a praia.

“A facilidade de alimento e a existência de cardumes de peixe pode ser um dos motivos que levou os dois golfinhos a permanecer nesta área”, explicou fonte do Ciemar – Laboratório de Ciências do Mar da Universidade de Évora, contactada pela Miróbriga.

Os dois cetáceos são avistados várias vezes ao dia a nadar em conjunto e à procura de alimento na baía de Sines.

Características do golfinho roaz-corvineiro *

O roaz-corvineiro apresenta uma coloração geral escura, com os flancos cinzento-azulados, mais claros que o dorso, e parte ventral da metade anterior do corpo mais clara, podendo mesmo apresentar-se branca, ligeiramente acinzentada ou rosada. Salienta-se a existência de uma estria escura que se estende desde o olho até a barbatana peitoral. As barbatanas são escuras.

É uma espécie muito sociável que ocorre em pequenos grupos (1-10 indivíduos) nas populações costeiras ou em grupos maiores (1-25 indivíduos) nas populações oceânicas, que habitam o mar aberto. Nas zonas oceânicas podem observar-se excecionalmente, grupos que podem atingir os 500 indivíduos. Por vezes observam-se indivíduos isolados, que correspondem, geralmente, a machos solitários.

O roaz pode associar-se facilmente a tubarões, tartarugas marinhas ou até mesmo a outros cetáceos, podendo “cavalgar” e saltar nas ondas provocadas pela deslocação de grandes baleias.

O roaz é um nadador rápido e vigoroso que mostra, geralmente, a testa quando emerge e muito raramente o bico. Efetua mergulhos até 4 minutos, junto à costa, podendo ser mais prolongados ao largo. É muito ativo à superfície efetuando batimentos caudais, saltos e variados movimentos acrobáticos, o que o torna numa espécie muito procurada para delfinários e aquários.

A alimentação do roaz consiste numa grande variedade de peixes (tainhas, carapaus, sardinhas, anchovas, enguias, etc.), cefalópodes (chocos e lulas) e alguns crustáceos. Apesar de ser generalista e oportunista, com a capacidade de adaptar a sua dieta à disponibilidade de presas, pode, consoante a área geográfica, apresentar um conjunto de presas preferenciais.

*Fonte: ICNF

(c) José Luís Borges

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *