Governo diz que empresas podem criar escolas profissionais

escolasAs empresas vão poder criar escolas profissionais destinadas a alunos que ali pretendam terminar o ensino obrigatório e estar automaticamente preparados para o mercado de trabalho, segundo um diploma hoje aprovado em Conselho de Ministros.

O Conselho de Ministros aprovou hoje o regime jurídico das escolas profissionais públicas e privadas, no âmbito do ensino não superior: o diploma cria as “escolas profissionais de referência empresarial”, explicou o ministro da Educação e Ciência, Nuno Crato, no final da reunião de hoje.

Estas escolas “serão criadas exclusivamente por empresas ou entidades empresariais que assumirão a formação da componente prática e em contexto de trabalho”, acrescentou o secretário de Estado do Ensino Básico e Secundário, João Grancho.

Em alternativa ao ensino regular, os estudantes podem optar por estas escolas profissionais sabendo que, quando terminam o ensino obrigatório, estão preparados para ingressar no mercado de trabalho.

Este modelo vai “chamar o mundo empresarial para investir nos nossos jovens”, saudou Nuno Crato

Graças ao envolvimento direto e permanente das empresas, Nuno Crato considera que este regime irá aumentar “a qualidade do ensino” e irá aproximar a formação às necessidades do mundo do trabalho.

O ministro acredita que este sistema será atrativo, uma vez que os alunos que optem por esta via de ensino terão direito a dupla certificação: “Dá oportunidade de terminar o ensino obrigatório assim com dá a possibilidade de exercer uma profissão”.

Tal como está definido, o regime vai “reforçar a autonomia das escolas públicas, uma vez que vai permitir que, em função das suas especificidades, possam ter modelos de gestão diferentes da regra habitual”, explicou o ministro.

O diploma hoje aprovado vem atualizar o quadro normativo das escolas profissionais e “criar condições mais consentâneas com as novas exigências de um ensino profissional dual de qualidade”, lê-se no documento divulgado durante a conferência de imprensa.

Nas escolas profissionais de referência empresarial, “parte dos recursos são disponibilizados pela empresa e outra parte pelas escolas”, acrescentou Nuno Crato.

Nuno Crato considera esta via de ensino como sendo de “enorme importância”, uma vez que vai colmatar uma enorme falha que o país tem de técnicos médios.

Lusa