Manuel Martins bispo emérito de Setúbal faleceu este domingo

Manuel Martins, bispo de Setúbal entre 1975 e 1998, morreu este domingo, aos 90 anos, informou a Diocese de Setúbal.

Um comunicado da Diocese de Setúbal informou que Manuel Martins “faleceu, às 14h05, acompanhado dos seus familiares e após receber a Santa Unção” de um pároco local, sem referir o local da morte.

A diocese sublinha que Manuel Martins foi o primeiro bispo de Setúbal, nomeado em 1975.

Manuel Martins chegou a ser conhecido por “bispo vermelho”, durante a crise dos anos 80, pelas denúncias que fez de situações de pobreza e de fome na região.

Nascido em 20 de janeiro de 1927, em Leça do Bailio, Matosinhos, Manuel da Silva Martins estudou no seminário do Porto e, mais tarde, na Universidade Gregoriana, em Roma.

Foi pároco de Cedofeita, nos nove anos de exílio do bispo do Porto António Ferreira Gomes (1960-1969), durante o Estado Novo, e foi vigário geral após o regresso do prelado.

Em 1975, um ano após o 25 de Abril de 1974, foi o ano da nomeação de Manuel Martins para bispo da diocese de Setúbal, de onde só saiu 23 anos depois, em 1998.

Foi presidente da comissão episcopal da Ação Social e Caritativa e da Comissão Episcopal das Migrações e Turismo, e da secção portuguesa da Pax Christi.

O bispo de Setúbal, José Ornelas, já lamentou a morte de Manuel Martins, lembrando “um homem de diálogo e um lançador de pontes” e a sua “luta contra a pobreza”.

José Ornelas recordou também que “o clima de respeito e colaboração que caracteriza hoje o relacionamento entre a Igreja e a sociedade na península de Setúbal muito deve à atitude lúcida, aberta e reconciliadora do seu primeiro bispo”.

O bispo de Setúbal destacou também a sua “visão social muito para além da vida diocesana” e que deixou um “rasto profundo e incontornável na Igreja e na sociedade”.

As exéquias do bispo emérito de Setúbal, Manuel Martins, realizam-se terça-feira, pelas 15h00, no Mosteiro de Leça do Balio, em Matosinhos, onde a partir desta segunda-feira tem lugar o velório, informou a diocese de Setúbal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*