Moura: Orquestra Gulbenkian encerra Festival Terras Sem Sombra

Orquestra-GulbenkianA Orquestra Gulbenkian, a violinista Vera Martínez e o violetista Jonathan Brown vão atuar no sábado, em Moura, no último concerto da edição deste ano do Festival de Música Sacra do Baixo Alentejo Terras sem Sombra.

O concerto “Instantes Infinitos: Mozart, Feldman & Mozart”, dirigido pelos maestros Paul McCreesh e Pedro Neves, vai decorrer a partir das 21:30, na igreja matriz de São João Baptista, refere o Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja (DPHADB), o organizador do festival.

Segundo o DPHADB, num comunicado enviado à agência Lusa, no concerto, a Orquestra Gulbenkian, Vera Martínez e Jonathan Brown interpretarão um repertório “de exceção”, constituído por duas sinfonias do compositor austríaco Mozart e o IV andamento da obra “The Viola In My Life” do compositor norte-americano Morton Feldman.

Através do concerto, fica concluída a estreia integral em Portugal das quatro versões de “The Viola in My Life”, depois de as três primeiras versões terem sido estreadas no sexto concerto do Festival Terras sem Sombra deste ano, no passado dia 07 de junho, em Sines.

No âmbito do seu programa de preservação da biodiversidade, o Terras sem Sombra promove no domingo, a partir das 10:00, uma ação de voluntariado para a defesa dos recursos biodiversos do concelho de Moura, como montados, matagais, estepes, rios e ribeiras.

Duranta a ação, músicos e espetadores do festival e membros da comunidade local vão observar as variações na flora dominante, com a passagem das terras de xisto para os calcários serranos, conhecer a “excelência” dos produtos regionais e o projeto de preservação do lince-ibérico.

Segundo o DPHADB, durante a ação, “os mais corajosos” poderão descer às grutas da Adiça, que incluem “um dos abrigos mais importantes” de Portugal para morcegos cavernícolas, abrigando colónias de várias espécies, como o morcego-de-ferradura-mourisco e o morcego-rato-grande.

A edição deste ano do festival, que termina a 05 de julho, em Sines, com a entrega do Prémio Internacional “Terras sem Sombra”, já promoveu seis concertos, um espetáculo dramático e uma conferência em igrejas do Alentejo e ações associadas à biodiversidade alentejana nas manhãs dos dias a seguir aos espetáculos.

O Terras sem Sombra deste ano, com o tema “Metáforas do Infinito – A Espiritualidade nas Polifonias dos Séculos XI-XX”, é dedicado ao primeiro bispo de Beja, Frei Manuel do Cenáculo, que morreu há 200 anos, e assinala o 30.º aniversário do DPHADB.