Ourives sequestrado para revelar códigos do cofre

2014-02-22010939_CA967162-B341-4FEB-88DD-FECB0766BF67$$738d42d9-134c-4fbe-a85a-da00e83fdc20$$9dfe63f9-20df-4011-9d25-eb65d961d01c$$odia_imagem_grande$$pt$$1Ourives só foi libertado quando acedeu à exigência do gang armado. Deixou que os ladrões entrassem e roubassem meio milhão em ouro, prata e relógios.As rotinas do dono da ourivesaria Gaveto, em Vila do Conde, foram estudadas ao pormenor. Ao final da tarde de anteontem, os três assaltantes sabiam que o ourives ia fechar a loja para ir embora, e aproveitaram esse momento para o atacar. Já sob sequestro – depois de ter sido obrigado a entrar no próprio carro – o homem foi ameaçado e agredido até revelar o código do cofre do estabelecimento. Antes de fugir, o gang conseguiu roubar cerca de meio milhão de euros – entre ouro, relógios e dinheiro.Pouco passava das 19h30 quando o proprietário da ourivesaria fechou as portas, na avenida Doutor João Canavarro. Ao virar da esquina, foi surpreendido pelos ladrões, armados e encapuzados. O sequestro durou cerca de 45 minutos. O ourives foi ameaçado de morte e violentamente agredido a murro. Já pelas 20h30, vítima e raptores voltaram à loja. Nas montras estavam relógios valiosos; no cofre, as peças mais caras e exclusivas, para além de dinheiro. Pouco sobrou.
O ourives abriu a ourivesaria, sempre com uma arma apontada a si, e deixou que o gang entrasse. Depois, baixou as grades de proteção. Os ladrões demoraram o tempo necessário para abrir o cofre e roubar o que estava exposto, lucrando cerca de 500 mil euros. O grupo fugiu no carro do ourives e deixou-o na loja, ferido. A PJ do Porto procura agora os assaltantes e já recolheu vestígios na ourivesaria, que ontem se manteve fechada. Ao Correio da Manhã, vários comerciantes confessaram temer novos ataques.