Sines: Repsol inicia prospeção de gás no Algarve em 2015

O presidente da multinacional espanhola Repsol, Antonio Brufau, afirmou quarta-feira que a companhia vai iniciar a perfuração e prospeção de gás natural no Algarve no próximo ano.

A Repsol “vai iniciar no próximo ano a perfuração no Algarve. Há bons reservatórios de gás no Algarve, que estão próximos de uns que a companhia já está a explorar e queremos que Portugal, se vier a ser descoberto gás, passe a dispor de reservas no Algarve”, disse após uma audição em Belém com o Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva.

“Queremos avançar com a exploração no Algarve e temos parceiros adequados. Estamos com a Partex, mas queremos mais um parceiro local. No caso de existir gás no Algarve teríamos de construir as infraestruturas e ter
um gasoduto para Sines”, salientou ainda Antonio Brufau.

Sobre a operação e os planos da Repsol em Portugal, Brufau referiu que estão “muito satisfeitos”.  “Estamos muito satisfeitos com a forma como as operações estão a decorrer. Aliás, [também] em Espanha, um país que está numa fase de claro crescimento, estamos a ver isso em termos do negócio, a crise tornou-nos cada vez mais eficientes”.

Segundo o gestor, “a crise ajudou” a empresa a estar melhor, facto que foi transmitido ao Presidente da República, a quem foram ainda dados a conhecer os projetos de ‘marketing’ e como a Repsol está na área do negócio do GPL (gás de petróleo liquefeito).

“No complexo petroquímico de Sines estamos a ganhar eficiência, a trabalhar com matérias-primas mais eficientes. Trabalhávamos com a nafta, estamos agora a utilizar o propano e temos projetos para usar o etano, que nos permitirá recuperar competitividade”, sublinhou.

Antonio Brufau referiu ainda que esta melhoria na competitividade vai permitir “ganhar tempo” para que a indústria química em Puertollano, Tarragona e Sines se converta numa indústria de alto valor acrescentado e mais competitiva, tendo em conta o novo paradigma energético mundial.

Sobre a crise vivida em Espanha e em Portugal, Brufau afirmou que vê a situação em Portugal, como na Espanha, com um “otimismo realista” mostrando-se esperançado no futuro.  Além disso, realçou que a Península Ibérica tem “as melhores infraestruturas de gás e eletricidade da Europa, com sete unidades fabris [produtoras de gás] de um total de 11, que são sete portas para o mundo”.

O presidente da Repsol referiu também à imprensa que “a Europa não deve depender, quase que em exclusivo do fornecimento de gás da Rússia”, devendo acautelar a segurança energética e a diversidade das fontes de abastecimento.

“É evidente que na interligação do gás da Península ibérica com a Europa quem mais beneficia é a Europa, não é Espanha nem Portugal, porque já têm tudo, com os gasodutos que os unem à Argélia”, lembrou.  Neste contexto, “é importante que a Europa tenha uma política energética comum. Portugal, Espanha e a Polónia estão muito próximos no objetivo de estabelecerem uma estratégia de maior integração” em que é a Europa é que “tem a ganhar”, afirmou.

“Não ter em conta a Península Ibérica, quando há uma crise na Ucrânia e um único fornecedor, por mais seguro que seja, parece-me uma certa irresponsabilidade. A direção adequada passa por uma política energética comum na União Europeia”, além do abastecimento através da Península Ibérica, concluiu.

Fonte: Lusa