Sines: Trabalhadores do Grupo FTM avançam com queixa-crime

metalsinesOs trabalhadores da Compelmada e da Metalsines vão avançar com uma queixa-crime no Ministério Público porque o “pagamento dos salários em atraso aos funcionários não está a ser feito de forma rateada”, denunciou o Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Atividades do Ambiente do Sul.

O processo arrasta-se desde 2012, altura em que as empresas pertencentes ao Grupo FTM, começaram a “faltar com o salário” aos cerca de 100 trabalhadores, explica o sindicalista Américo Flor

O Grupo FTM que,  segundo o dirigente, continua a garantir o pagamento dos salários aos trabalhadores mais recentes, em detrimento dos restantes funcionários da empresa, já foi alertado pelo sindicato que, perante o silêncio da administração, decidiu avançar com uma queixa- crime.

Além da queixa que deu entrada ontem no Tribunal do Trabalho de Sines, o sicndicato convocou ainda os trabalhadores para uma concentração na próxima segunda-feira, dia 26 de maio, junto à sede em Lisboa, do Grupo FTM

O dirigente Américo Flor acredita na viabilidade da empresa mas acusa a administração de “má gestão”

Contactada pela Miróbriga, a empresa remeteu esclarecimentos para mais tarde.