Tempo agrava-se no resto do país

A situação meteorológica já piorou no norte e, até princípio da noite, outras regiões vão assistir ao agravamento do vento e da precipitação, levando à emissão de um aviso laranja, que se junta ao vermelho de todo o litoral.

As zonas do país que estão sob aviso vermelho para a agitação marítima acabam por [abranger] toda a costa litoral, sendo que, nos distritos de Lisboa, Leiria, Setúbal e Beja, esse aviso vermelho vai terminar mais tarde”, no domingo, ou seja, passou das 15:00 para as 18:00, disse à agência Lusa fonte da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC).

O adjunto de Operações Nacional da Proteção Civil, Alexandre Penha, referiu que, no norte, a situação meteorológica já começou a piorar, na região de Lisboa ainda está um tempo aparentemente ameno, mas é “só uma fase transitória”.

Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), acrescentou, ao final da tarde e início da noite, “vai haver agravamento principalmente do vento e da precipitação e, durante a madrugada, um agravamento do estado do mar”, o que levou a instituição a emitir o aviso vermelho a partir das 03:00 de domingo.

O aviso vermelho respeita somente ao estado do mar e, relativamente à precipitação, “está ativo um aviso amarelo que terá agravamento durante o final da tarde de hoje, início da noite, para laranja, até ao princípio da manhã” de domingo, apontou Alexandre Penha.

Perante a elevada quantidade de chuva dos últimos dias, a situação dos leitos dos rios tem sido seguida desde o início da semana e, na quarta-feira, na região de Coimbra, foi ativado o plano municipal para cheias.

Além da precipitação, os especialistas também têm em consideração o facto de Coimbra ter sido um dos distritos afetados pelos grandes incêndios de 2017 e a escorrência da água poderá ser muito maior nos terrenos que não possuem vegetação.

Hoje de manhã, Santarém ativou igualmente o Plano Especial de Emergência para Cheias na Bacia do Tejo, resultado da avaliação dos caudais do rio.

“Temos as escorrências normais de água, devido ao efeito da precipitação, mas no final do dia de hoje vamos sentir também o efeito das escorrências em território espanhol”, referiu o responsável da Proteção Civil.

A ANPC emitiu o alerta especial para as entidades que cooperam nesta área às 00h00 de sexta-feira, para vigorar até às 12h00 de segunda-feira.

Considerando o agravamento do estado do mar e a alteração dos caudais dos rios, foi decidido um aumento do estado de alerta especial para o nível laranja, explicou Alexandre Penha.

O nível laranja implica uma prontidão das forças e agentes de proteção civil de 50% do total do efetivo, “até seis horas do tempo de reação”.

Catorze barras de Portugal continental estavam fechadas à navegação e quatro condicionadas, devido à previsão de forte agitação marítima, segundo informação da Marinha Portuguesa.

Fechadas à navegação estão as barras de Caminha, Vila Praia de Âncora, Esposende, Póvoa de Varzim, Vila do Conde, Douro, Figueira da Foz, São Martinho do Porto, Ericeira, Lagos, Alvor, Albufeira, Tavira e Vila Real de Santo António.

Num comunicado hoje divulgado, e considerando a situação meteorológica, a Proteção Civil informou ter reforçado o acompanhamento operacional das bacias hidrográficas que historicamente poderão registar situações de cheia, com especial atenção para o Tejo, Vouga (Águeda) e Douro (Tâmega), assim como todas as dos restantes afluentes a norte do Tejo.

A Proteção Civil recorda as medidas preventivas que os cidadãos devem adotar como retirar das zonas confinantes, normalmente inundáveis, equipamentos agrícolas, industriais ou viaturas, deixar os animais em locais seguros, ou não atravessar com viaturas ou a pé estradas ou zonas alagadas.

Fonte: Lusa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *