UMINHO: Vigília após morte de universitários

uniminhoCentenas de alunos da Universidade do Minho participaram hoje numa vigília silenciosa de homenagem aos três estudantes daquela academia que morreram na quarta-feira, na sequência da queda de um muro.

A vigília demorou largos minutos, não tendo a chuva intensa que caiu sido suficiente para desmobilizar os alunos.

Uma homenagem marcada por rostos carregados, algumas lágrimas, muita emoção e muito poucas palavras.

“Não há nada para dizer, é uma coisa que fica encravada cá dentro e que vai custar a sair”, referia Pedro, um dos alunos presentes na vigília.

O acidente ocorreu na noite de quarta-feira, quando um grupo de alunos de Engenharia Informática foi apanhado pela queda de um muro, nas imediações da universidade.

Um estudante da Universidade do Minho que assistiu ao acidente garantiu hoje que o acidente que matou três alunos daquela academia ocorreu “num contexto de praxe, mas não por ordem de quem estava a praxar”.

“Estava na esplanada de um café e assisti a tudo. É verdade que o acidente ocorreu num contexto de praxe, mas não foi resultado de uma qualquer ordem de quem estava a praxar”, referiu Filipe Silva, aluno do 3.º ano de Línguas Aplicadas.

Filipe Silva referiu que estava a decorrer uma “guerra de cursos”, entre alunos de Medicina e de Engenharia Informática.

“Mas uma guerra de cursos não é nenhuma batalha campal. É apenas um despique, para ver quem grita mais alto”, explicou.

Disse ainda que os alunos do curso de Medicina já estavam a ir embora, por alegadamente terem perdido a guerra, ficando os de Engenharia Informática a “cantar vitória”.

Nos festejos, três alunos subiram a um pequeno muro, que acabou por ceder, atingindo os colegas que estavam na base. “Os praxantes também foram atingidos”, disse ainda Filipe Silva.

Três alunos morreram e quatro sofreram ferimentos ligeiros. O caso está a ser investigado pelas autoridades policiais e judiciais.

Lusa